Diferença entre a filosofia da natureza de Demócrito e a de Epicuro

O 24º título da coleção Marx-Engels traz a tese doutoral de Marx, apresentada pelo autor à Universidade de Jena em 1841. Um Marx como você nunca viu: na direção oposta da cristalização histórica de sua imagem como teórico e militante da revolução comunista, o filósofo alemão busca tirar as consequências da ciência da natureza para pensar as condições da liberdade humana. A obra foi traduzida por Nélio Schneider e traz ilustração de capa de Gilberto Maringoni.

R$34,00

Apenas 2 em estoque

O 24º título da coleção Marx-Engels traz a tese doutoral de Marx, apresentada pelo autor à Universidade de Jena em 1841. Um Marx como você nunca viu: na direção oposta da cristalização histórica de sua imagem como teórico e militante da revolução comunista, o filósofo alemão busca tirar as consequências da ciência da natureza para pensar as condições da liberdade humana. A obra foi traduzida por Nélio Schneider e traz ilustração de capa de Gilberto Maringoni.

A defesa da filosofia da natureza de Epicuro contra a de Demócrito que o leitor testemunha nessa obra representa um ataque indireto a um quadro de repressão e retrocesso político, a “miséria alemã”, como era chamada por Marx, um conjunto de mazelas políticas e sociais que colocava o país numa condição de atraso histórico em relação à modernização liberal da Europa, somado a um ambiente de censura e perseguição a seus opositores mais radicais.

Desfazendo o lugar-comum do determinismo materialista de Epicuro, Marx considera sua filosofia a realização da “autoconsciência humana como a divindade suprema”. E, na medida em que recusa toda autoridade acima do homem, faz da “liberdade da autoconsciência” o princípio de toda a realidade. Do mesmo modo, a negação da divindade não deixa de ser também uma tomada de posição em favor da filosofia (ou do pensamento livre) contra “o entendimento teologizador”. Nesse sentido, a tese promove uma defesa radical da liberdade da ação e do pensamento contra o materialismo mecanicista, mas também contra as “filosofias positivas” da natureza que alimentavam o conservadorismo político e cultural alemão.

As pretensões acadêmicas de Marx seriam, no entanto, inteiramente frustradas. Com o acirramento da repressão política, os jovens hegelianos seriam expulsos da universidade e proibidos de exercer a docência. Perdia-se assim um eminente professor de filosofia helenista, mas abria-se o caminho para o grande projeto de compreensão e crítica dos fundamentos da sociedade burguesa.

[Trechos da orelha assinada por Rodnei Nascimento]

 Trecho do livro

Enquanto pulsar uma gota de sangue em seu coração absolutamente livre, dominador do mundo, a filosofia sempre clamará a seus opositores as seguintes palavras de Epicuro: ‘Ímpio não é quem elimina os deuses aceitos pela maioria, e sim quem aplica aos deuses as opiniões da maioria’.

Peso0.264 kg
Páginas

152

Autor

Karl Marx

Editora

Boitempo

Comentários

Não há comentários ainda.

Seja o primeiro a comentar “Diferença entre a filosofia da natureza de Demócrito e a de Epicuro”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *