Napoleão Bonaparte – Imaginário e Política em Portugal c. 1808-1810

O outro lado de 1808
O Portugal que foi deixado à mercê de Napoleão Bonaparte
            Em um ano de efeméride, quando muito se escreve e se fala sobre a chegada da corte portuguesa ao Brasil, o livro de Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves traz, sem dúvida, um sopro oxigenador.
Em Napoleão Bonaparte – Imaginário e política em Portugal, não lhe interessam Dona Maria, Dom João, Dona Carlota Joaquina, a abertura dos portos, o Banco do Brasil ou os demais acontecimentos espetaculares. Sua proposta é inovadora, ao vasculhar um Portugal abandonado, à mercê dos franceses, sacudido pelas insatisfações populares, que foram veiculadas em protestos ora contraditórios, ora polarizados, mas, na maior parte das vezes, enraivecidos contra os ocupadores e o seu líder maior, Napoleão Bonaparte.
O outro lado de 1808
O Portugal que foi deixado à mercê de Napoleão Bonaparte
            Em um ano de efeméride, quando muito se escreve e se fala sobre a chegada da corte portuguesa ao Brasil, o livro de Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves traz, sem dúvida, um sopro oxigenador.
Em Napoleão Bonaparte – Imaginário e política em Portugal, não lhe interessam Dona Maria, Dom João, Dona Carlota Joaquina, a abertura dos portos, o Banco do Brasil ou os demais acontecimentos espetaculares. Sua proposta é inovadora, ao vasculhar um Portugal abandonado, à mercê dos franceses, sacudido pelas insatisfações populares, que foram veiculadas em protestos ora contraditórios, ora polarizados, mas, na maior parte das vezes, enraivecidos contra os ocupadores e o seu líder maior, Napoleão Bonaparte.
A opção metodológica é radical, com o povo sendo o objeto das atenções da autora. Enquanto estes, mesmo que de forma conservadora, execravam os franceses, a nobreza que permaneceu em Portugal flertava com os invasores. Alguns inclusive passaram a embandeirar-se com as tropas francesas, deixando-se enfeitiçar pelos princípios defendidos por Napoleão e que corroíam as bases do mundo do Antigo Regime, que era o de Portugal, configurando uma situação paradoxal.
Napoleão Bonaparte – Imaginário e política em Portugal, portanto, é um livro obrigatório: não apenas por causa da efeméride, mas, sobretudo, apesar dela. Priorizando o contexto político português, apresenta-o, contudo, na relação com os demais contextos europeus e, principalmente, com o da principal possessão ultramarina, o Brasil, de repente travestido em cabeça do corpo político. Ensina-nos como distinguir aspectos, que viciados por dois séculos de interpretações muito vincadas, não estávamos habituados a observar.
(Texto adaptado da orelha de Laura de Mello e Souza)
 
A autora: Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves é doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP) e professora titular de História Moderna da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sua pesquisa é voltada para a área de História política, intelectual e cultural do Brasil e Portugal, séculos XVIII e XIX.
Peso0.511 kg
Páginas

360

Autor

Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves

Editora

Alameda

Comentários

Não há comentários ainda.

Seja o primeiro a comentar “Napoleão Bonaparte – Imaginário e Política em Portugal c. 1808-1810”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *