A imprensa de esquerda e o movimento operário (1964-1984)

A censura à imprensa durante quase todo o longo período da ditadura militar (1964-1984) deixou as ações do movimento operário ignoradas tanto pelo público em geral quanto pela maioria dos estudiosos. Estes, ao constatarem a ausência de greves nos noticiários, concluíram pela inexistência da consciência de classe. Os trabalhadores brasileiros formariam uma “classe em si”, inconsciente, que não teria alcançado ainda o nível da verdadeira consciência (“para si”).

R$26,00

Fora de estoque

Me avise quando esse produto voltar ao estoque.

A censura à imprensa durante quase todo o longo período da ditadura militar (1964-1984) deixou as ações do movimento operário ignoradas tanto pelo público em geral quanto pela maioria dos estudiosos. Estes, ao constatarem a ausência de greves nos noticiários, concluíram pela inexistência da consciência de classe. Os trabalhadores brasileiros formariam uma “classe em si”, inconsciente, que não teria alcançado ainda o nível da verdadeira consciência (“para si”).

Neste livro, o professor Celso Frederico rompe com essa contraposição abstrata e nos apresenta a ação real da classe que a imprensa amordaçada não podia noticiar. Para tanto, recolheu os textos produzidos clandestinamente pelas organizações de esquerda, porque estas, protagonistas e analistas do movimento operário urbano, viveram o dia a dia da luta de classes e foram testemunhas das ações desenvolvidas pelos trabalhadores naquela difícil quadra da história. Cada capítulo foi precedido por uma introdução que contextualiza os acontecimentos e explica as diferentes concepções que orientaram a ação das organizações clandestinas.

Vemos assim as primeiras reações ao golpe de 64, a reorganização do movimento operário a partir de 1966; as greves que eclodiram em 1968 (em especial, a greve de Osasco); a resistência operária durante a fase da repressão mais dura (1969-1971); as relações entre a guerrilha urbana e o movimento operário; o trabalho clandestino dos militantes nas fábricas; as análises da superexploração da força de trabalho no período chamado de “milagre brasileiro” e, como reação, a ocorrência de pequenas greves localizadas; as grandes greves de 1978-1980; e, finalmente, a articulações intersindicais que confluíram para a formação das centrais sindicais.

Esse conjunto de temas interessa tanto aos estudiosos do movimento operário quanto aos militantes de esquerda.

Peso 0.388 g
Páginas

330

Autor

Celso Frederico

Editora

Expressão Popular