Oferta!

Como um Cavalo Salvou a Vida de um Preso Político

Uma página triste que não está nos livros escolares.

Uma HQ, que é quase um álbum de fotos, com fatos reais sobre tentativa de revolução nos anos 1930 e a repressão governista que se seguiu.

Um episódio que envolve personagens importantes que mudaram os rumos da nossa história.

R$20,00 R$16,00

Fora de estoque

Me avise quando esse produto voltar ao estoque.

Uma página triste que não está nos livros escolares.

Uma HQ, que é quase um álbum de fotos, com fatos reais sobre tentativa de revolução nos anos 1930 e a repressão governista que se seguiu.

Um episódio que envolve personagens importantes que mudaram os rumos da nossa história.

A atuação de entidades de defesa dos direitos humanos nas prisões brasileiras é tão evidente nos dias de hoje que dá margem à equivocada percepção popular de que elas só agem em favor de “bandidos”. No entanto, nem sempre foi assim.
Nos anos 1930, o Brasil vivia sob a ditadura de Getúlio Vargas. Frustradas em seus anseios de redemocratização, as forças políticas estavam agitadas. Os comunistas formavam o grupo mais insatisfeito com os rumos do País. Tanto que decidiram derrubar o governo.
Com a ajuda de militares, a revolução estourou em 23 de novembro de 1935, na cidade de Natal (RN). No dia seguinte, outra sublevação ocorreu em Recife (PE) e, 48 horas depois, mais uma agitou o Rio de Janeiro, então Distrito Federal. Sem nenhum respaldo popular, os revoltosos acabaram esmagados pelas forças legalistas. Em poucas semanas, os líderes da chamada Intentona comunista estavam identificados e presos.
Uma das cabeças da revolta atendia pelo nome Harry Berger. Pensava-se que fosse norte-americano. Na verdade, chamava-se Arthur Ewert e era alemão. Experiente militante de esquerda, ex-deputado, estava no Brasil enviado pelo Comitê Executivo da Internacional Comunista, com a incumbência de planejar a revolução com Luís Carlos Prestes.
Preso no Rio de Janeiro, Berger sofria tantas violências físicas e psicológicas no cárcere que despertou a compaixão do advogado Heráclito Fontoura Sobral Pinto. Sem nenhum instrumento jurídico apropriado para patrocinar a causa do detento, já que a legislação da época era omissa, Sobral Pinto invocou o Direito de Proteção e defesa dos animais, recentemente assinado por Getúlio Vargas, e entrou com pedido de habeas corpus no Tribunal de Segurança Nacional.

Peso 0.238 kg
Páginas

74

Autor

Evaldo Novelini,

Luiz Carlos Fernandes

Editora

Boitatá,

Boitempo