Oferta!

Dialética do marxismo cultural

Desde as eleições presidenciais de 2018, a expressão “marxismo cultural” se fez presente em diversos discursos de representantes da direita brasileira. Associada a contextos tão exóticos  quanto o ressurgimento da teoria terraplanista ou a crítica ao politicamente correto, o fato é que a expressão pôde ganhar tanto destaque justamente por ser apresentada de maneira vaga e descontextualizada.

R$6,00 R$3,00

Em estoque

REF: 9788577433797 Categoria:

Desde as eleições presidenciais de 2018, a expressão “marxismo cultural” se fez presente em diversos discursos de representantes da direita brasileira. Associada a contextos tão exóticos  quanto o ressurgimento da teoria terraplanista ou a crítica ao politicamente correto, o fato é que a expressão pôde ganhar tanto destaque justamente por ser apresentada de maneira vaga e descontextualizada.

Entretanto, por mais precária que seja a sua sustentação teórica, não se pode negar que ela “colou”. Para seu sucesso atual, colaboraram a ofensiva das notícias falsas, o monopólio da mídia burguesa e a exploração, por parte dos discursos políticos reacionários, de sentimentos como a insegurança e o medo generalizados e a insatisfação com relação ao funcionamento das  instituições – estes decorrentes em enorme medida do aprofundamento de políticas neoliberais no país.

Combater os abusos e desmandos promovidos pela ascensão dessa direita obtusa passa também, portanto, por desmontar seu arsenal palavroso, identificando por trás de uma aparente  inovação e espontaneidade os elementos de cálculo, de falsificação histórica e de perpetuação de elementos coloniais. Com o intuito de contribuir com esta tarefa, a editora Expressão Popular publica Dialética do marxismo cultural, necessária síntese de Iná Camargo Costa sobre o tema.

Ao resgatar os usos históricos do “marxismo cultural” e mapear seus propagadores iniciais, “cristãos fundamentalistas, ultraconservadores, supremacistas – enfim, a extrema-direita  estadunidense”, a autora nos oferece uma esclarecedora argumentação sobre os motivos para o ressurgimento e disseminação do termo e de todo o universo que ele comporta. Em suas palavras, “dialeticamente, para um marxista, o marxismo cultural (sub specie spectrum) nada mais é que a fusão operada pelo inimigo entre marxismo ocidental e materialismo cultural,  uma operação ideológica que requenta, além de mal e porcamente reciclar, a marmita nazista”.

Ao interpretar os mecanismos de funcionamento de tal retórica, identifica como “os objetos mais imediatos de sua fúria conservadora […] o feminismo, a ação afirmativa, a liberação sexual,  igualdade racial, o multiculturalismo, os direitos LGBTQ e o ambientalismo”. E para não ficar apenas no diagnóstico das derrotas, a autora elenca na última parte de seu texto uma relação de figuras essenciais para o marxismo entendido em sua integralidade (para simplificar, incluindo as esferas da política, economia e cultura), seja na sua vertente mais conhecida e estabelecida, como os clássicos Marx, Engels, Lenin, Rosa e Gramsci, seja na vertente do legado artístico de Carolina Maria de Jesus, Solano Trindade, Fernando Solanas, entre tantos.

Peso 0.047 kg
Autor

Iná Camargo Costa

Editora

Expressão Popular